clube de jazz  
 
agenda notícias store
 
o jazz jazz brasil ao vivo galeria
 
 
colunas
perfil
eventos
lançamentos
entrevistas
acorde final
 

Onde ouvir jazz em Buenos Aires

Abrindo uma nova seção do Clube de Jazz dedicada à Argentina, o jazzófilo Paulo Cesar Nunes, passeia pelas calles e casas noturnas para mostrar aonde se toca o melhor jazz de Buenos Aires.

Ingrid Jensen, Zaakya Hooker, Andrés Boiarsky, Mariano Otero, Uri Caine, Tomoko Ohno, Hermeto e Ricardo Silveira

01/08/2008 - Paulo Cesar Nunes

Encontrei com Wilson Garzon, diretor do site Clube de Jazz, na última edição do festival de Rio das Ostras, e conversamos um pouco sobre o jazz argentino, já que ele conhece bem a noite portenha e eu sou um apaixonado por Buenos Aires, cidade onde vivi por mais de seis anos. Combinamos então de começar a divulgar um pouco do que conhecemos e com certeza teremos muito assunto para postar. Agora, que o site está abrindo janelas para o jazz argentino, se tornou imperativa a minha contribuição com essa matéria, para que todos que possam curtir Buenos Aires regada a muito jazz.

Muito se fala nas revistas e artigos de turismo sobre o aumento do fluxo de brasileiros à charmosa capital da República Argentina, aproveitando o cambio favorável e a proximidade do país vizinho. No nosso entendimento por mais que se fale da noite portenha os pacotes turísticos jamais serão suficientes para que o viajante tenha noção do que acontece em sua totalidade, se o assunto é música. Arrisco dizer que trinta dias de férias não são suficientes para se conhecer a noite portenha, tamanha a quantidade de lugares e estilos. Para começar, Buenos Aires é a capital do rock em espanhol e tem uma infinidade de bares e restaurantes de todos os tamanhos onde se programa música ao vivo. Esse filão é bem aproveitado pelo pessoal do blues, por exemplo - onde se ouve rock... se ouve blues! É comum bandas de blues tocarem nos pubs da Calle Reconquista - John John, Kilkeeny, Down Town Mathias - todos em estilo irlandês, redutos do rock e de festivais de música celta. São lugares bastante ruidosos, points de azaração, com ótima cerveja! E o que dizer do circuito do tango? O estilo está em alta outra vez, com muitos festivais de dança e alguns musicais programados nos teatros da Calle Corrientes, principalmente.

Durante a explosão do tango entre os anos 40 e 60 alguns lugares passaram a programar jazz entre os sets da orquestra principal. Algumas orquestras tocavam os dois estilos e a conseqüência disso foi que se criou um hábito de se escutar jazz na noite portenha, mesmo quando o tango diminuiu a pegada, ao sofrer a concorrência do verdadeiro furacão que foi o rock dos anos 60 e 70. Hoje a juventude se divide entre a cumbia e a música eletrônica mas ainda tem muito rock, e um verdadeiro revival do tango pipocou em toda a Argentina. Uma quantidade enorme de jovens músicos se divide entre o tango e o jazz , e isto é inspiração e tema para muitas conversas já que alguns dos músicos mais importantes da atualidade transitam pelos dois terrenos com desenvoltura. Tem ainda uma forte corrente que são os estilos de folclore, a música regional deles, com instrumentistas tão bons que são habitués das casas que listamos abaixo. No terreno do jazz quando começamos a escolher uma atração vamos nos deparar com duos, trios, quartetos, big bands, piano solo, cantoras fenomenais, grupos de vanguarda, fusion, latin jazz, swing times, organ trios, estrangeiros que moram lá ou visitantes , argentinos do exterior, artistas consagrados junto a jovens músicos e até gente que se dedica a estilos nossos como bossa nova e chorinho! É uma festa!

Em Buenos Aires a divulgação é como aqui: dispersa e muito pobre. É necessário garimpar a agenda, horários, telefones de reservas, e para isso deve-se começar pelos jornais, que obviamente não trazem todas as opções. Recomendamos a leitura do caderno Espetáculos do Clarin Diário na sexta feira e o La Nación aos sábados. Tem uma publicação de cultura, uma revista pequena, a Wipe, que pode ser encontrada nas bancas ou distribuída gratuitamente em lugares como a Pizzaria Piola (Libertad y Santa Fé ). Sempre que a viagem tiver tempo livre à noite é de bom tom entrar nos sites – estamos garimpando os que realmente funcionem - quando estiver sendo feita a distribuição dos passeios, para incluir os shows preferidos. Parece exagero a trabalheira da pesquisa mas a decepção de saber que perdeu um show de Walter Malosetti porque preferiu comer bife de chorizo com papas suflé no Palácio das Papas Fritas é muito pior. Ok, o bife e as papas são um enorme prazer mas pode ficar para depois do show, ou antes!

Sempre será necessário consultar pois até os horários podem mudar. A obediência aos horários não é regra na Argentina. Alguns lugares costumam atrasar no máximo 20 minutos, em outros chega a passar de uma hora. Nos meses de janeiro e fevereiro em Buenos Aires a cidade fica vazia e muitas casas não programam shows, ou mesmo chegam a fechar. No inverno todas estão trabalhando com intensidade, então é bom levar estes costumes em conta.

Roteiro jazzístico de Buenos Aires

Notorious Club
Uma mistura de café, loja de cd’s e restaurante, esta casa tem música ao vivo todas as noites e antes de qualquer saída noturna temos que consultar a programação de lá, para adequar os horários; os shows começam às 22:00 e nos fins de semana tem também às 0:30. A qualidade de som é ótima e tem crepes deliciosos no cardápio.
Callao 966 – Palermo – 4815 8473 – www.notorious.com.ar

Thelonious Club
Fica em Palermo num sobrado com formato em L, o palco na confluência ; tem qualidade de som surpreendente para uma casa adaptada e goza de grande prestígio entre os músicos. Shows de quarta a domingo, com duplo programa sextas e sábados. Os drinks são ótimos: experimente o mojito.
Salguero 1884 - Palermo – 4829 1562 – www.theloniousclub.com.ar

Virasoro Bar
O jazzclub funciona numa casa Art Decó, projetada pelo arquiteto Alejandro Virasoro na década de 20, com pisos de madeira e mármores originais. É um lugar onde se toca a vanguarda do jazz argentino, de quarta a domingo, começando em torno das 22 horas.
Guatemala 4328 - Palermo - 4831-8918 – www.virasorobar.com.ar

Club Lounge Buenos Aires
Restaurante que está funcionando há menos de dois anos, num sobrado da Calle Reconquista. Às vezes nas quartas e quintas tem happy hour com artistas emergentes e shows principais às 22:30.
Reconquista 974 – Retiro – 4515 1020

Jazz & Pop
Histórica casa dos anos 70, recentemente reaberta pelo músico Jorge “Negro” Gonzalez. Fica num subsolo da Calle Paraná, que foi reformado no ano passado. O grande barato para quem tiver sorte é a canja de Negro Gonzalez, um contrabaixista finíssimo, que tocou com Gato Barbieri, entre outros gigantes.
Paraná 340 – Monserrat – 4372 2302

Jazz Voyeur
Uma das mais novas casas está na chiquérrima Recoleta. Muito bem cuidada, funciona no prédio do hotel Meliá Recoleta Plaza. Vem programando músicos consagrados.
Posadas 1557 – Recoleta – 5353 4000

Clássica & Moderna
Um misto de livraria e restaurante, normalmente um reduto do tango. Costuma programar alguns nomes consagrados do jazz, como o trompetista Roberto Fats Fernandez e o pianista Alberto Favero.
Callao 892 – Palermo – 4812 8707

La Trastienda
Aqui estamos em San Telmo, um point da cultura em Buenos Aires. Esta casa é uma pizzaria com loja de cd’s na frente, e uma amplo espaço de shows nos fundos. A programação gira entre teatro, musicais, vanguarda e até cenário de “Tribulaciones”, programa musical de TV do aclamado produtor Mario Di Cristofaro. Tem ótimo som e lá tocaram Bill Frisell, Victor Biglione, Courtney Pine, Uri Caine, Maceo Parker, Ed Motta e Luis Salinas, entre outros. É bom ficar de olho na programação deles. As empanadas são ótimas, em forno a lenha.
Balcarce 460 – San Telmo – 4342 7650

Club del Vino
Esse é um templo cultuado pela sociedade portenha como perpetuador do bom casamento tango e vinho; tem um café e restaurante muito bons, e um anfiteatro com ótimo som. É endereço certo para degustação e palestras sobre a cultura do vinho. Apesar de ser um reduto do tango costuma programar jazz de muito bom nível.
Cabrera 4737 – Palermo – 4833 0048

La Vaca Profana
Esta casa é um ponto de encontro do pessoal do folclore: zamba, candombe, chacarera, chamamé, etc; gêneros com enorme contribuição para a cultura argentina. Alguns nomes importantes da cena jazzista costumam tocar aqui.
Lavalle 3683 – 4867 0934 - www.vacaprofana.com.ar

Gran Danzón
É imperdível o happy hour, apesar de ser um pouco apertado ; é um bar restaurante que funciona num sobrado , com completíssima adega, tudo climatizado; os shows são meros coadjuvantes deste lugar bastante ruidoso mas sempre tem gente graúda tocando lá, apenas às quartas e sextas até as 21:00. Ótimo pra começar a noite.
Libertad y Santa Fé – Palermo - 4811 1108

Os restaurantes Las Cortadeiras, Frida Khalo, La Dama de Bollini, Anfiteatro, New People, 7 Locos, Wyno’s, etc. costumam ter música ao vivo e vale a pena consultar. As regiões de Las Cañitas e Palermo Hollywood são procuradas pela variada oferta de restaurantes e alguns deles também fazem parte do roteiro de jazz. Não são tão comuns mas alguns musicais de jazz tem montagens em teatros como Gran Rex, Coliseo, Presidente Alvear, Ópera, etc. E vários shows de peso ou mesmo festivais de jazz vem sendo programados nestes e no ND Ateneo, principalmente. Todos tem excelente equipamento e tratamento acústico. E alguns ciclos de jazz ocorrem em hotéis como o Sheraton, o Faena e o Sofitel. Citando alguns nomes: Keith Jarrett, John Scofield, Diana Krall, Nicolas Payton, Marcus Miller, Naná Vasconcelos, Hermeto Pascoal, Michael Brecker, Jeff Berlin, Dave Holland, Lee Konitz, Ron Carter, …

Desde a época da ultima crise em 2001, alguns lugares fecharam (Jazz Club, La Revuelta, Perro Andaluz), os ciclos internacionais escassearam, e este é um indicador de que alguns lugares poderão não estar operando na ocasião da visita. A diminuição de shows internacionais teve uma boa conseqüência: uma multidão de músicos argentinos passou a aparecer bastante. Esse será o nosso próximo assunto.

Topo da página | Envie a um amigo | Voltar para Argentina

 
copyright clube de jazz 2004  
cadastre-se   termos de uso   contato   sobre nós